Dicas para elaborar as descrições perfeitas dos produtos do seu e-commerce

As descrições dos produtos em um e-commerce são muito importantes para os resultados das vendas. Elas podem ser a diferença entre o cliente fechar uma compra ou não, estabelecem a autoridade da marca, ajudam os usuários a conhecer melhor o produto antes de compra-lo e otimiza as estratégias de SEO.

Uma boa descrição de produto atrai visitantes e pode transformá-los em clientes. Ao definir suas técnicas de SEO, não esqueça de incluir as descrições bem elaboradas, com palavras-chaves e persuasivas, de forma que “seduzam” os visitantes da página.

Confira algumas dicas para montar a descrição de produto perfeita para a sua loja virtual:

Adote palavras-chaves

Colocar palavras-chaves dentro das descrições dos produtos é uma das táticas de SEO para melhor ranquear o seu site nas ferramentas de busca orgânica. Essa técnica fará com que mais pessoas conheçam a sua marca, e consequentemente, o número de vendas irá subir. Elas devem aparecer naturalmente no título e na descrição, junto das outras características do produto. Para pesquisar as palavras com o maior número de pesquisas dentro do seu ramo de atuação, o Google Keyword Planner é ideal. Além dos termos com alto volume de pesquisa, é recomendado utilizar também os temos mais longos, por serem mais fáceis de ranquear.

Aproxime-se do público

Descrições genéricas costumam falhar em conquistar o público, já que elas não se aproximam da realidade do cliente e não oferecem uma solução. É preciso compreendê-los e falar uma linguagem próxima do seu dia a dia. Aproveite as descrições dos produtos para criar um texto envolvente, que tenha um tom de conversa e que se conecte com as emoções, para estimula-lo a concluir a compra.

Quer um exemplo? Imagine uma cafeteira. Pense em vende-la não somente como uma máquina de fazer café, mas em algo que trará um prazer enorme para o consumidor. Frases como “nada como um café quentinho antes de começar o dia” ou “aproveite o momento de paz antes de começar o dia com um café” são próximas do cotidiano e ajudam a criar uma conexão com o produto.

Liste os atributos e benefícios

O cliente precisa saber quais são os benefícios de comprar aquele produto, afinal, ele está procurando por uma solução. Os atributos e benefícios podem ficar separados da descrição principal, organizados em forma de lista.

Destaques os principais benefícios do produto para o cliente. Exemplo: “alta durabilidade – você não precisará se preocupar em adquirir outro por anos” ou “você não irá ficar sem memória no celular”. Já em atributos, destaque características como “acompanha cartão de memória de 128GB” ou “costura altamente reforçada”.

Use palavras sensoriais

Ao escrever a descrição, os atributos e benefícios, utilize palavras sensoriais para mexer com as emoções dos usuários. Eles ajudam os clientes a imaginarem como será a experiência de adquirir o seu produto. É só imaginar: o que chama mais atenção? Bolo de chocolate ou delicioso bolo de chocolate com cobertura cremosa que derrete na boca? Acho que você já tem a sua resposta. 😉

5 dicas para melhorar a gestão das redes sociais da sua empresa

Quem acompanha nosso blog já aprendeu por que sua empresa deve estar no Facebook e como aumentar as vendas usando as redes sociais. Mas, para ter sucesso nas suas estratégias de marketing, é muito importante que se preocupar também com as melhores práticas para otimizar a sua gestão de redes sociais.

No post de hoje, mostraremos a você 5 dicas para melhorar sua presença nas redes sociais. Acompanhe:

1. Responda as perguntas e dúvidas dos seus clientes

Muitas empresas utilizam as redes sociais apenas para divulgar seus produtos ou serviços, ignorando os comentários e as dúvidas de seus clientes. O problema é que, deixando o seu cliente sem resposta, você demonstra que a sua empresa não se preocupa com ele ou com a sua opinião, prejudicando a imagem da sua marca.

Por isso, se você planeja investir em uma estratégia de gestão de redes sociais, é muito importante estar preparado para responder a todas as dúvidas e sugestões de seus clientes em tempo hábil.

2. Compartilhe conteúdo relevante para sua persona

Para que a sua empresa tenha sucesso em sua estratégia de gestão de redes sociais, é essencial que você produza e compartilhe conteúdo que seja útil para a sua persona.

Lembre-se que grande parte das pessoas utiliza o Facebook e o Twitter para descontrair e se relacionar com seus amigos. Por isso, uma boa prática é interagir com seus clientes  como se a sua marca fosse um outro usuário da rede social.

Compartilhe dicas e informações que possam ajudar o consumidor a solucionar os problemas do seu dia a dia e mantenha-se à disposição para auxiliá-lo com o que for preciso. Assim, você conquistará a confiança do seu público e se aproximará de cada um deles, aumentando a relevância da sua empresa no mercado.

3. Acompanhe de perto seus concorrentes

As redes sociais podem ser usadas para acompanhar de perto as ações promocionais de seus concorrentes. Você poderá ver o que eles estão fazendo, o que gera bons resultados e até mesmo quais são as ações desastrosas que sua empresa deve evitar na gestão de redes sociais.

Portanto, veja quais são as ações que mais geram interação com o público, quantas publicações seus concorrentes fazem por dia e o tipo de conteúdo que eles compartilham. Informações como estas ajudarão você a otimizar a sua estratégia, gerando melhores resultados.

4. Use fotos e vídeos para atrair a atenção do usuário

Nas redes sociais, elementos visuais podem ser conteúdos mais atraentes do que os textos. Por isso, o ideal é que você utilize, sempre que possível, imagens e vídeos para atrair a atenção de seus fãs e seguidores.

Além de ajudar a aumentar o engajamento com seus clientes, esse tipo de conteúdo pode ser usado para transmitir mensagens de forma mais objetiva e dinâmica.

Na internet também há espaço para a ousadia, e sua empresa pode usar de memes em formato de imagem e vídeo para interagir com o seu público. Além de humanizar sua marca, essa estratégia pode ajudar a aumentar a audiência e gerar bons resultados para sua empresa.

5. Acompanhe de perto os resultados de sua gestão de redes sociais

Acompanhar os resultados de sua estratégia de promoção nas redes sociais é essencial para otimizar a sua gestão e conquistar melhores resultados. Dessa forma, você poderá identificar quais ações não geraram os resultados esperados e quais delas ajudam a conquistar os objetivos de sua empresa.

Fique sempre atento ao número de visualizações, comentários e compartilhamentos de suas mensagens. Verifique também o quanto a sua estratégia de gestão de redes sociais ajuda a aumentar o tráfego de seu site e realizar novas vendas. Fazendo isso, você conquistará resultados cada vez melhores em suas estratégias promocionais.

E aí, gostou deste artigo? Quer ficar por dentro de todas as novidades que postamos? Assine a nossa newsletter e receba mais dicas para melhorar as estratégias de marketing digital de sua empresa!

O que você deve planejar antes de abrir sua loja virtual

Planejar é o passo inicial para qualquer projeto, inclusive no e-commerce. As lojas virtuais estão ficando cada vez mais profissionais e requerem muita pesquisa e planejamento antes de serem abertas. Muitos e-commerces acabam fechando após pouco tempo de funcionamento, devido a falta de preparo de seus administradores.

Apesar de ser virtual, as lojas precisam planejar a logística de entregas, selecionar os fornecedores, métodos de pagamento e as estratégias de marketing para que o empreendimento possa crescer e trazer o lucro desejado.

Se você pensa em abrir a sua própria loja virtual, nós separamos alguns tópicos importantes para você se atentar na hora de iniciar o seu planning. Olha só:

Investimento

O primeiro passo é definir o valor para o investimento. Quanto você tem disponível para investir inicialmente? E mensalmente? Coloque na ponta do lápis todos os gastos mensais e quanto você precisará lucrar para cobrir os gastos. No começo, será difícil bater metas de lucro, já que a sua loja estará começando do zero. Será preciso investir um pouco mais de dinheiro do seu bolso. Portanto, é muito importante fazer todas as contas e planejar os investimentos dos primeiros meses para não correr o risco de ficar sem capital nenhum.

Local

Se a sua loja é virtual, ela não precisa estar alocada em um lugar nobre ou de muita visibilidade. O intuito é gastar o menos possível com aluguel. Se você dispõe de um espaço próprio em casa, melhor ainda. Se não, você pode optar por uma sala em um bairro mais barato. Afinal, a sala servirá apenas como depósito para as mercadorias e para a realização do trabalho diário de manutenção da loja.

Registro

Para começar um e-commerce, é necessário ter empresa aberta, passando por todo o processo de registro de empresas, que varia entre os Estados do Brasil. Com o CNPJ, você poderá emitir notas fiscais, recolher os impostos e cumprir todas as obrigações fiscais, evitando ter problemas com a sua empresa. Não se esqueça de colocar a razão social, CNPJ, endereço, telefone e meios de atendimento na homepage do seu site.

Fornecedores e entrega

Enquanto você estiver nos primeiros meses de venda, negocie preços com os seus fornecedores para pequenas quantidades de produtos e entregas. Se quiser economizar, você mesmo pode ir retirar os produtos para economizar no frete.

Para fazer a entrega aos clientes, escolha o seu parceiro logístico. Tirando os produtos de grande peso e dimensão, na maior parte das vezes, serão os Correios, devido a sua abrangência geográfica e preço. Você mesmo pode levar os produtos até uma agência dos Correios ou combinar a retirada na empresa. Analise o que é mais vantajoso e econômico para você.

Marketing

Os consumidores não virão até você se a sua loja não for divulgada. O marketing é essencial para empresas que estão começando em qualquer ramo. Se possível, procure uma agência de marketing para realizar esse serviço. Eles saberão melhor do que ninguém a como alavancar a sua empresa com estratégias de marketing eficientes.

Aproveite para ler também dicas para elaborar as descrições perfeitas dos produtos do seu e-commerce. Até a próxima!

Orçamento de Marketing Digital: como definir o valor da minha estratégia?

As estratégias em marketing digital são pesquisadas e elaboradas para gerar os melhores resultados nas campanhas online das marcas. Porém, quando o assunto abrange orçamentos, sempre existem dúvidas sobre qual valor investir em táticas de mercado em ambiente virtual.

O custo-benefício do marketing digital é tentador: os custos não são exorbitantes e, quando a campanha é bem trabalhada, os resultados são altamente positivos.

Mas é importante ressaltar que, para conquistar os objetivos traçados, é necessário fazer investimentos certeiros. Quer elaborar o orçamento de marketing digital ideal? Confira algumas dicas de como definir o valor da sua estratégia!

Entenda a importância do planejamento financeiro

É preciso estar ciente sobre a importância do planejamento financeiro para sua estratégia de marketing digital. Essa planificação é feita para evitar surpresas ao longo do caminho, além de ser fundamental para adequar as estratégias de uma campanha.

É comum que as empresas estipulem um valor mensal ou anual para ser investido na área de marketing. Com esse valor pré-definido, a campanha de marketing digital ganhará forma. E as estratégias e táticas que serão utilizadas poderão ser definidas.

Avalie bem o volume e o crescimento das vendas

Para determinar o orçamento ideal, avalie o volume e o crescimento de vendas de períodos anteriores. Assim, você conseguirá ter uma base de como a empresa está se desenvolvendo nesse momento e definir metas aceitáveis e possíveis de alcançar.

Ainda nessa avaliação, é possível considerar outros dados, como: a economia atual, o mercado em que a empresa está inserida, entre outros aspectos econômicos que possam interferir no crescimento das vendas.

Verifique o custo e a margem dos seus produtos

Outra dica relevante para definir o seu orçamento de marketing digital é analisar os custos de produção que você possui. Faça as contas para saber qual o valor gasto para produzir cada produto vendido. É importante saber também o custo envolvido para entregar os produtos aos clientes.

Some todos os dispêndios, incluindo matéria-prima, transporte, branding e outros. Mas atenção: não some o investimento em marketing. Com o resultado em mãos, divida o valor sobre o volume de vendas realizadas. Dessa forma, você saberá qual o custo que o seu produto apresenta para chegar até o consumidor.

O valor restante significa a margem que a empresa possui. É preciso que um percentual desse valor seja investido em marketing digital.

Considere o valor disponível para investimento

Ao levar em consideração o valor de custos de produção, volume e crescimento de vendas, é possível estabelecer as metas e os objetivos de crescimento que deseja alcançar com a sua estratégia de marketing digital. A partir disso, ficará fácil estabelecer o orçamento.

Se você já investe em alguma estratégia, use as métricas disponíveis para verificar o retorno que sua empresa está obtendo com aquele valor investido. Dessa forma, você conseguirá fazer projeções para os investimentos futuros com essa mesma estratégia.

Completada essa análise, você também poderá rever os resultados do que você já realizou e definir novas estratégias e um novo orçamento, de acordo com os objetivos que quer alcançar.

E aí, gostou dessas dicas de como definir o orçamento de marketing digital ideal para sua empresa? Então assine nossa newsletter e receba outras informações que vão ajudar no crescimento do seu negócio!

4 sinais de que sua empresa precisa de um Blog Corporativo

Um blog corporativo é uma excelente ferramenta para aproximar a empresa de seus clientes e gerar novas oportunidades de negócio, sendo uma peça-chave para qualquer estratégia de Inbound Marketing.

Porém muitos empreendedores ainda são cautelosos quando pensam na possibilidade de investir em um blog corporativo, com muitas dúvidas sobre a importância e a necessidade de investir nesta ferramenta.

Para ajudar na solução deste problema, vamos mostrar neste artigo 4 sinais de que sua empresa precisa de um blog corporativo e os benefícios que ele pode gerar para seu negócio.

1. É preciso aumentar o tráfego do site de sua empresa

Um dos objetivos mais comuns em uma estratégia de marketing digital é aumentar o tráfego do site. Isso porque quanto maior o número de visitas geradas, maiores as chances de surgirem oportunidades de negócio.

Um blog corporativo é uma ótima ferramenta para conquistar este objetivo, pois o seu conteúdo pode ser divulgado nas redes sociais e até mesmo ser encontrado por seus clientes nas buscas do Google.

2. É preciso educar os clientes de sua empresa

É normal que alguns dos potenciais clientes de sua empresa ainda não estejam preparados para adquirir seus produtos ou serviços, sendo necessário educá-los sobre as melhores práticas do mercado e as condições essenciais para usar as soluções que sua empresa oferece.

Por isso, muito tempo dos vendedores é usado apenas para educar o cliente, garantindo que ele tire todas as dúvidas antes de adquirir seus produtos e serviços. O que muitos empreendedores não sabem é que um blog corporativo é uma ótima ferramenta para ajudar no processo de educação dos clientes.

Os conteúdos do blog podem ser usados para ensinar tudo o que é necessário para que o cliente sinta-se satisfeito e encontre soluções para seus problemas. E o melhor: usar o blog corporativo para educar o seu cliente é mais barato do que fazer com que seus vendedores usem todo o seu tempo para tirar suas dúvidas.

3. Sua empresa precisa melhorar a posição nas buscas do Google

O conteúdo de um site é um dos elementos mais importantes em uma estratégia de SEO, sendo um dos critérios avaliados pelos robôs de busca para ranquear uma página. Por esse motivo, a criação de um blog corporativo é uma excelente estratégia para quem deseja melhorar sua posição nas buscas do Google.

Para conquistar este objetivo, o primeiro passo é saber o que os potenciais clientes de sua empresa pesquisam no Google, quais são as dúvidas e os problemas que desejam solucionar. Depois disso, é preciso criar conteúdos que ajudem a solucionar essas questões e otimizá-los para que sejam encontrados pelos mecanismos de buscas.

4. Sua empresa procura por mais visibilidade online

Além de aumentar o número de visitas em seu site e conquistar melhores posições nas buscas, um blog corporativo é uma boa ferramenta para aumentar a visibilidade online de uma empresa.

Isso porque falando sobre os temas mais importantes de sua área de atuação e ensinando as melhores práticas do mercado, a empresa se posiciona como uma autoridade no assunto e se destaca entre seus concorrentes.

Produzindo blog posts, e-books e até mesmo webinars com temas relacionados ao seu ramo de atuação você ajudará as pessoas a conhecerem mais sobre o assunto, fazendo com que sua marca seja lembrada com maior frequência. Dessa forma, você será capaz de aumentar o valor de sua marca, conquistar mais atenção do seu público e aumentar a visibilidade de sua empresa.

Manter um blog corporativo com conteúdo relevante é essencial para uma organização. Se bem utilizado, é capaz atrair potenciais clientes, aumentar as oportunidades de negócio, melhorar o relacionamento da empresa com o seu público e fortalecer a marca no mercado.

Quer mais dicas para melhorar a estratégia de marketing de sua organização? Que tal ler o artigo sobre como aumentar a visibilidade online de sua empresa?

5 problemas comuns dentro de gestão empresarial e como resolvê-los

Uma empresa é a soma de diversos setores, cada um com suas metas e peculiaridades. Assim sendo, é importante ter em mente que cada parte do empreendimento precisa de um olhar calibrado para suas necessidades.

Não saber disso é um dos problemas que os empresários mais enfrentam no comando de seus negócios. Para te ajudar a evitá-los de uma vez por todas, resolvemos trazer neste post os 5 erros mais comuns na gestão empresarial. Confira!

1. Processos seletivos ineficientes

Contratar alguém é fazer um investimento. Alguns empreendedores esquecem-se disso e deixam os processos seletivos fragilizados. O resultado? Uma rotatividade alta, que prejudica os projetos em andamento e faz com que mais recursos tenham que ser destinados a procurar um colaborador ideal para aquela função.

Ou seja, desperdício de tempo e dinheiro — duas coisas que jamais devem ser jogadas fora.

2. Produtividade

Você está com uma equipe afinada, profissionais engajados, que estão dando o seu melhor pelo projeto. Então, será que fazer várias reuniões com eles significa aproveitá-los?

O excesso de reuniões impacta diretamente a produtividade da equipe, quebrando o ritmo de trabalho. Conversar com o time todo é fundamental, mas sempre na medida certa.

3. Inabilidade para lidar com pessoas

Uma empresa não é feita apenas de números, mas, principalmente, de seres humanos. Isso deve ser levado em conta na gestão empresarial.

A falta de habilidade na hora de lidar com um cliente ou funcionário irritado, magoado, ou estressado pode fazer com que um pequeno atrito transforme-se em um grande problema. Evite expor as pessoas, deixe-as falarem e demonstre que você deseja ajudá-las.

Na hora do incêndio, seja bombeiro e não incendiário.

4. Falta de planejamento

Um dos grandes erros da gestão empresarial é não ter um plano detalhado com as metas que devem ser alcançadas. Já diz o ditado: “para quem está perdido, qualquer caminho serve”. Ter um horizonte otimiza a tomada de decisões, ajuda na correção de erros, além de tornar os investimentos da empresa mais certeiros.

Por isso, acompanhe a movimentação do mercado e analise com atenção os números da empresa.

5. Falta de transparência na tomada de decisões

Isso impacta a relação com a equipe e pode causar um dano irreversível à imagem do seu negócio. Tome cuidado para que suas decisões não soem autoritárias e, muito menos, que não pareçam ter credibilidade.

É necessário estabelecer confiança na gestão empresarial e para conquistá-la é preciso clareza. Assim, decisões podem ser discutidas e aperfeiçoadas, evitando problemas e criando um espírito de equipe.

Gestão empresarial é estratégica!

Ter uma gestão empresarial bem alinhada com os valores da empresa e seus objetivos torna o trabalho mais claro, agradável e eficiente, evitando prejuízos no caminho. Esteja sempre atento ao que acontece na sua empresa e no mercado. E saiba ouvir para aproveitar seus momentos de fala. Essa é uma peça-chave na gestão empresarial!

E por falar nisso, como anda a comunicação da sua empresa nas redes sociais? Todo mundo sabe das possibilidades que a internet proporciona, por isso, é importante estar atento a elas. Veja agora os 10 erros mais comuns ao utilizar links patrocinados e aprenda a evitá-los!

Conhecendo o funil de matrículas

O funil de matrículas é uma metodologia de marketing que busca entender o processo de interação entre potenciais alunos, criando um caminho que favorece o fechamento de matrículas e a diminuição de custos de prospecção. Se trata do processo de acompanhamento do cliente dentro do ciclo de vendas:  contato, cadastro de dados, atendimento, visita na instituição e confirmação de matrícula. O post de hoje vai te ajudar a traçar o funil de captação de alunos que engloba as atividades do ciclo de vendas da escola. Olha só:

Metas por etapas do funil de matrículas

Cada etapa possui um objetivo: contato, cadastro, atendimento e visita à escola. A meta é conseguir um número X de matrículas. Para isso, é preciso determinar a meta de interessados em visitar a escola, meta de contatos que precisam ser ativados, número de cadastros gerados e ações de marketing. A figura do funil vai se estreitando conforme as etapas.

Exemplo:

Com uma taxa de 50% de conversão. De 3000 contatos cadastrados, 1500 devem estar interessados, registrados e qualificados para a matrícula. Devem acontecer em média 750 visitas com intenção de fechar o contrato. Ao final, devem ser realizadas 500 matrículas, em média.

Para não ficar apenas no “achismo”, você pode estabelecer as metas de captação e conversão do funil com base no histórico da instituição em anos anteriores.

O que deve ser observado?

  • Quantos potenciais clientes entraram em contato e criaram um cadastro no último ciclo de matrículas?
  • Quantas visitas foram realizadas?
  • Quantas matrículas foram efetivadas?
  • Quais são as estratégias para melhorar os números de cada etapa do funil de matrículas?

Dessa forma, você evita traçar metas incoerentes e impossíveis de serem alcançadas. Também é possível identificar possíveis erros e reforçar as etapas que precisam de melhorias. Se a sua escola possui muitas visitas mas poucas conversões, que tal mudar a forma de como o atendimento é feito e reforçar o follow up com o pais? Pense nisso.

Erros comuns em lojas virtuais que você não deve cometer

Administrar uma loja virtual não é tão fácil quanto parece. Apesar dos benefícios que o e-commerce apresenta, como flexibilidade e redução de custos, a falta de conhecimento em empreendimentos pode levar a erros comuns em lojas virtuais que comprometem o andamento do seu negócio.

Além de escolher uma boa plataforma, ter um planejamento financeiro e investir em marketing digital, há diversos outros pontos em que você deve prestar atenção para conseguir manter o a sua loja no ar e obter o lucro desejado.

Para que você não caia em nenhum desses equívocos, nós listamos alguns erros comuns em lojas virtuais que você não deve cometer.

Layout desorganizado

Um site poluído visualmente desencoraja os clientes a prosseguirem com a compra. Aposte em um layout limpo e organizado, que permitam que o cliente encontre com facilidade o que ele procura. Coloque-se no lugar do consumidor: você compraria em um site totalmente desorganizado e pobre em informações? Provavelmente não.

Aposte em um design interessante, com cores chamativas, que prendam a atenção do usuário logo no primeiro acesso.

Domínio mal construído

Dê preferência para um domínio curto e fácil. Não adianta construir uma loja em que as pessoas não saberão como escrever ou não lembrarão do nome e do domínio para poderem acessá-la. O domínio do seu site pode influenciar muito na quantidade de acessos que ele recebe. Além disso, as buscas do Google é um dos caminhos para o seu site, e isso pode ser prejudicado se o domínio não for bem escolhido.

Ignorar a avaliação dos usuários

O e-commerce é construído para os seus clientes, certo? Então, são eles que devem dizer se a experiência foi satisfatória ou não. Procure sempre ouvir o que os consumidores têm a dizer e proponha mudanças se necessário.

Convide uma pessoa que ainda não conhece o seu site para testá-lo. Observe se ela encontra alguma dificuldade em terminar o checkout, em procurar os produtos ou de encontrar o atendimento ao cliente.

Descrição pobre dos produtos

Um dos fatores decisivos para que o cliente feche ou não a compra é a descrição do produto. Nenhum cliente irá comprar um produto (ainda mais se ele for de alto valor) se as devidas informações não estiverem descritas no site. Escolha boas fotos dos produtos, capriche na apresentação e nas características, sanando todas as possíveis dúvidas.

Vídeos de demonstração ou imagens em 360º também costumam chamar a atenção dos consumidores.

Atendimento insatisfatório

Ter um bom atendimento ao cliente não é um diferencial, mas sim uma exigência. É o mínimo para que a sua empresa possa satisfazer os consumidores e crescer. O bom atendimento faz parte do processo de fidelização dos clientes. Ele se sentirá valorizado e confiante para voltar a comprar na loja mais vezes.

Leia também nosso texto sobre como aumentar a conversão no e-commerce

Quais são os impostos que as lojas virtuais devem pagar?

Engana-se quem pensa que as lojas virtuais estão isentas do pagamento de impostos. Para manter o seu e-commerce ativo, os empreendedores precisam pagar as taxas em dia e ficar atentos quanto à fiscalização e possíveis multas.

Os tipos de impostos variam conforme a natureza do e-commerce. Assim como as físicas, as lojas que são exclusivamente virtuais, que compram produtos para revende-los na Internet, precisam pagar o ICMS (imposto estadual que incide sobre a circulação de mercadorias), PIS e COFINS (sobre o faturamento) e IRPJ e CSLL (sobre o resultado operacional). Se a loja for apenas mais um canal de vendas da loja física, além de todos os impostos citados acima, o empreendedor também deve pagar o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

E se eu não tiver lucro suficiente para pagar os impostos?

Não se assuste com todos os impostos que você leu até aqui. Sabendo da dificuldade que pequenos empreendedores encontrariam na hora de pagar os impostos, o governo mantém alguns programas de taxas reduzidas para que todos tenham a oportunidade de empreender. Eles também são válidos para quem deseja abrir uma loja virtual.

Microempreendedor individual (MEI)

O MEI contempla empreendedores que faturam até 60 mil reais por ano. É voltado para pessoas que trabalham por conta própria e querem se legalizar como pequenos empresários. O microempreendedor fica isento de pagar os tributos federais e paga apenas um valor fixo mensal, referente à Previdência Social, ICMS e ISS. O programa também dá acesso à benefícios como auxílio maternidade, auxílio doença, aposentadoria, etc.

O valor da contribuição varia de acordo com a natureza do negócio. Também é necessário secar se o ramo de atividade da empresa se enquadra dentro das regras do programa. Os interessados podem ver todas as regras no Portal do Empreendedor do Governo.

Simples Nacional

Já o imposto Simples Nacional, é voltado para empresas um pouco maiores, que faturam até 3,6 milhões por ano. Nesse sistema, o empreendedor também paga uma taxa fixa, calculada de acordo com o valor do faturamento. Os impostos contemplados dentro desse valor são: IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a contribuição destinada à Previdência.

Entretanto, existem algumas restrições. Empresas de gestão, consultoria, cessão de mão-de-obra e agências de publicidade não podem optar pelo Programa.

Se você tem dúvidas, consulte um contador antes de abrir o seu negócio. Um profissional qualificado irá te ajudar a definir qual a melhor solução para a sua empresa e a entender a tributação que será aplicada.

Para saber mais sobre lojas virtuais, leia os nossos outros textos sobre como aumentar o lucro do seu e-commerceevitar fraudes e o que é preciso para abrir um e-commerce. Até mais!

Dicas para usar o LinkedIn a favor da sua empresa

Nós já postamos anteriormente no blog da Lealmente um texto sobre como promover a sua empresa no LinkedIn. Hoje, nós vamos dar continuidade ao assunto. Nós trouxemos mais algumas dicas para usar o LinkedIn a favor da sua empresa, para que você aumente a sua visibilidade e conquiste novos clientes. Acompanhe:

Atualizações constantes e engajamento

Assim como nas outras mídias sociais, a frequência de postagens é essencial para manter o seu público interessado. Ninguém vai seguir uma página desatualizada, não é mesmo? Manter um calendário de posts é o primeiro passo para que você não se esqueça de atualizar essa rede e ofereça sempre conteúdos relevantes à suas conexões.

O LinkedIn gira em torno de conteúdos de qualidade e recomendações. Quanto mais os usuários se engajarem e compartilharem uma publicação sua, maior será o poder de alcance da sua página.

Grupos

Para começar a fazer conexões e divulgar o seu conteúdo, participe dos grupos e fóruns existentes na rede social. Envolva-se em grupos que tenham relação com o segmento de atuação da sua empresa e conecte-se com outros profissionais da área. Você também pode aproveitar para dar uma olhadinha no que os seus concorrentes estão fazendo.

Call to action

Você não precisa limitar as suas publicações para apenas compartilhamento e comentários. Se o objetivo da sua página no LinkedIn é aumentar o número de vendas e clientes, inclua um call to action em seus posts. Um maior número de pessoas irá se engajar, agir e clicar.

Conta premium

O LinkedIn oferece a opção de ter uma conta premium para quem estiver interessado em usar a rede de forma ainda mais estratégica e profissional. Com o upgrade, é possível usar mecanismos de busca mais avançados e específicos, enviar InMails, deixar o perfil da sua empresa no topo das buscas, tornando-se mais popular e com um alto número de visitas.

Organize a sua equipe

Você pode escalar algumas pessoas da equipe da sua empresa para ficarem responsáveis pelas atualizações no LinkedIn e por monitorar se as postagens estão alcançando o resultado desejado. Outra dica, é utilizar plugins sociais. Eles indicam se você é um membro ativo dentro da rede e também podem ser usados para o impulsionamento de publicações.

Convites

Aproveite para convidar os seus contatos de outras redes – Facebook, Instagram, Twitter – que ainda não estejam no LinkedIn para participarem do site. Se eles se cadastrarem, você conseguirá mais seguidores para a sua página. Outra opção é enviar e-mails marketing para a sua base de contatos, convidando os leitores para visitar a sua página.

O LinkedIn permite que você envie uma mensagem para até cinquenta destinatários de uma vez. Utilize esse recurso para encontrar clientes em potencial e convidá-los para conhecer a sua página.

Se a sua empresa quer investir em marketing digital, não deixe de ler também o nosso texto sobre as diferenças entre Facebook Ads e Google Adwords. E claro, se precisar de uma ajudinha, pode contar com a gente 😉